quinta-feira, 19 de junho de 2008

O truque da estrangeira

.............................................................................................................................

É verdade que uns me perguntam se vivo na selva, o que não me surpreende, pois o quê a Amazônia é hablada aqui não é brincadeira! Mas a grande maioria, mesmo não conhecendo o Mundo de lá - apesar de já ter ouvido falar das belas praias, mulheres bonitas, futebol e carnaval (e da floresta, claro) - se interessa bastante pelo nosso modo de vida, aprecia a música brasileira, em especial a bossa nova, e é muito curiosa por saber como vivemos. Sobre a nossa música, é impressionante como ela é referência!, a ouvimos em muitos lugares de Madri, desde um passeio pelo El Corte Inglês ou Ikea (nossa Tok & Stok), a uma ida a um bar, restaurante. A capoeira também é muito famosa e admirada.

Uma curiosidade geral, no entanto, infelizmente, é sobre a violência. Uma esteticista muito simpática, e já bastante querida, uma vez me disse: “falam tanto que é perigoso que a gente pensa que não há vida ali”. A sinceridade dela pode não ser dita pela maioria, mas creio que é “pensada” por muitos e infelizmente reflete a situação da desigualdade social existente no nosso país. Quando fui a um caixa eletrônico às 23h da noite aqui embaixo de casa, a pé, sem um “ai” do meu marido, pensei sobre isso. Caminhar em paz livremente, sem se preocupar se você volta ou não inteiro pra casa, não tem preço. Aqui, em geral, as pessoas não andam tão inseguras pelas ruas e quando há algo, sempre há alarde. É verdade também que dizem que a delinqüência aumentou e é bom não dar bobeira, mas não se compara com as nossas preocupações. A mesma esteticista me disse que há sítios – lugares- em Madri peligrosísimos, e eu pensei cá com meus botões o que ela considera perigosíssimo...! Bem, mas o meu objetivo não é fazer um tratado sobre o assunto, mas compartilhar com vocês a visão geral sobre a gente e o nosso país.

Já os mais cultos, me perguntam sobre tudo: sobre a ocupação portuguesa, sobre as influências da capoeira, sobre a miscigenação, e quando não sei o que responder, o grande truque: não entendi! o español estava muito difícil ou ñ sei explicar no idioma. Sempre funciona. Aí, estudo um pouquinho sobre o assunto e o español volta a funcionar. Já sou meio antropóloga, socióloga e todas as "ólogas" que vocês podem imaginar. O truque do não entender também funciona quando estou nas calles - ruas - e alguém quer me vender algo ou entregar um panfleto seguido de uma explicação longuíssima, aí o português é tiro-e-queda, funciona que é uma beleza: digo que não entendo nada e ufa! estou livre. Tirando o exagero, realmente faz muito tempo que não preciso falar do nosso país para um não-nativo, e é aí que você percebe saber muito pouco ou menos do que gostaria e deveria; pelo menos, falo por mim. Gostaria de conhecer mais e explicar melhor muita coisa. Parei de estudar a Espanha!, agora tenho me dedicado a estudar o Brasil. É muito interessante, e cada vez fico mais apaixonada por nosso país e nosso povo. Que bom estar de volta.

2 comentários:

Eti Brito disse...

Espertinha como sempre, jogo de cintura, simpatia e doçura, esta é a cristina que conheço e agora com um violão na mão...tu vai longe. Num demora tá? A gente aqui tem muita saudades. Beijos

a estrangeira disse...

Cheguei, nega!!! Vamos nos encontrar. Tô com saudades.